Menu

As 5 chaves da irmã Bingham para ser feliz, manter uma perspectiva eterna e progredir

Irmã Jean B. Bingham fala em devocional no campus da BYU no Marriott Center em Provo, Utah, no dia 10 de dezembro, 2019. Crédito: Tyler Richardson, BYU Photo
Irmã Jean B. Bingham com seu marido, Bruce Bingham, ao púlpito antes do devocional no campus da BYU no Marriott Center em Provo, Utah, no dia 10 de dezembro, 2019. Crédito: Tyler Richardson, BYU Photo
Irmã Jean B. Bingham fala em devocional no campus da BYU no Marriott Center em Provo, Utah, no dia 10 de dezembro, 2019. Crédito: Tyler Richardson, BYU Photo
Um coro de estudantes canta durante um devocional na terça com irmã Jean B. Bingham no Marriott Center no campus da BYU em Provo, Utah, no dia 10 de dezembro, 2019. Crédito: Captura de tela da BYUTV

A perspectiva é um fenômeno interessante, disse irmã Jean B. Bingham olhando para as fileiras de cima de cerca de 3.600 estudantes reunidos no Marriott Center do campus da Universidade Brigham Young em Provo, Utah, na terça, dia 10 de dezembro. 

“Dependendo de nossa posição ou dos instrumentos que usemos, o que estamos enxergando parece mudar, com frequência dramaticamente”, continuou a presidente geral da Sociedade de Socorro, parecendo ao mesmo tempo pequena no púlpito ao centro do andar da arena e gigante enquanto seu rosto era projetado nas enormes telas de vídeo pairando acima do andar da arena. 

“Perspectiva também pode ser uma atitude particular com relação a alguma coisa ou ponto de vista”, ela disse àqueles reunidos para o devocional final do semestre de outono do campus. “Olhando para uma situação através das lentes de nossas próprias experiências, nossa tendência é supor que nossa perspectiva é a ‘correta’ e rejeitar outros pontos de vista considerando-os falhos ou incompletos”.

Mais frequentemente do que nunca, contudo, qualquer ponto de vista ou perspectiva não dá um quadro completo ou a verdade completa, ela explicou. Instrumentos como telescópios e microscópios permitem às pessoas verem coisas que não conseguiriam ver a olho nu. Porém, ambos possuem âmbitos estreitos que também limitam o ponto de vista de alguém, ela explicou. 

Contudo, o ponto de vista que realmente torna as coisas claras, irmã Bingham continuou, é a perspectiva perfeita e completamente abrangente do Pai Celestial — Sua perspectiva eterna. 

Irmã Jean B. Bingham com seu marido, Bruce Bingham, ao púlpito antes do devocional no campus da BYU no Marriott Center em Provo, Utah, no dia 10 de dezembro, 2019.
Irmã Jean B. Bingham com seu marido, Bruce Bingham, ao púlpito antes do devocional no campus da BYU no Marriott Center em Provo, Utah, no dia 10 de dezembro, 2019. | Crédito: Tyler Richardson, BYU Photo

“Com Sua habilidade de ver, conhecer e entender todas as coisas passadas, presentes e futuras de maneira mais elevada, ampla e profunda do que nós jamais conseguiríamos, Sua perspectiva é completa”, ela disse. Com Seu ponto de vista, Deus pode ver o potencial divino ao invés de apenas uma condição presente ou passada.

O Pai Celestial também olha para todas as Suas criações através das lentes de amor, irmã Bingham continuou. “Como se usasse um poderoso microscópio, Ele atenta para o coração e a mente de cada um de Seus filhos com uma perspectiva de misericórdia amorosa e um ávido apoio ao invés de críticas que esmagam a esperança. E com um alcance mais completo do que o mais poderoso telescópio, Ele vê o grande enquadramento, observando o progresso nos indivíduos assim como galáxias de eternidade em eternidade”.

Durante sua vida mortal, cada pessoa é confrontada com desafios diários que podem parecer, em alguns momentos, insuportáveis. Quando indivíduos enfrentam seus desafios pessoais, sua perspectiva limitada pode frequentemente levá-los a sentirem-se distraídos e desencorajados. 

Então “como encontramos alegria enquanto lidamos com esses testes e tribulações diários ou às vezes de hora em hora?” irmã Bingham perguntou.

A resposta, ela disse, começa com abraçar uma perspectiva eterna. 

Ela, então, citou cinco chaves para manter uma perspectiva eterna que pode ajudar indivíduos a progredirem e serem felizes independentes de suas circunstâncias.

Conhecimento e fé no plano de felicidade de Deus

A primeira chave é compreender a identidade divina de alguém como o alicerce de seu progresso e felicidade, ela explicou. “Quando sabemos quem somos, porque estamos aqui e para onde vamos, poderemos fazer escolhas que trarão a maior felicidade e evitaremos a maior dor e angústia, tanto agora quanto nas eternidades”.

O valor individual de cada indivíduo na terra é absoluto por causa do parentesco divino dele ou dela, ela explicou.

Quando indivíduos chegam a saber que a perspectiva de Deus inclui as coisas como foram, são e serão, eles são assegurados de que seu valor é imutável, irmã Bingham disse. 

“Por causa das escolhas que fizeram na vida pré-mortal, vocês tem um papel essencial no plano de felicidade de Deus num momento muito significativo da história do mundo. Seus Pais Celestiais os prepararam para vir à terra com essas verdades embutidas em seus espíritos e vocês e eu estávamos animados para tentar tornar-nos como Eles. Vimos Sua felicidade e instintivamente queríamos aquela mesma alegria”, ela disse. “Afinal, foi para isso que fomos criados: ‘Homens e mulheres existem para que tenham alegria’”. 

Confiança em Jesus Cristo e em Sua Expiação

A segunda chave é ter confiança no Salvador e na realidade de Sua infinita Expiação, que permite a todos o progresso eterno, irmã Bingham continuou.

“Mesmo depois de começarmos no caminho do convênio, todos nós temos uma tendência de nos desviarmos para a esquina da rua, para o degrau ou tropeçar”, ela disse. 

Embora todos cambaleemos e percamos nosso caminho de vez em quando, a “alegre verdade é que por causa da Expiação de Jesus Cristo, nenhum de nós está perdido eternamente”, ela disse. 

Irmã Jean B. Bingham fala em devocional no campus da BYU no Marriott Center em Provo, Utah, no dia 10 de dezembro, 2019.
Irmã Jean B. Bingham fala em devocional no campus da BYU no Marriott Center em Provo, Utah, no dia 10 de dezembro, 2019. | Crédito: Tyler Richardson, BYU Photo

O Salvador, realmente, expiou pelos pecados de toda a humanidade e deu o exemplo perfeito de como viver neste período mortal com a segurança de que “podemos, de fato, tornar-nos mais como Ele, sentir alegria nesta vida e eventualmente retornarmos para nosso lar celestial”, ela disse.

“Nosso Salvador também tem uma ‘vista à distância’; Ele nos vê ‘ainda que estejamos bem fora do caminho’ e nos encontra lá, pronto para curar e perdoar, confortar e encorajar, ao virmos a Ele em nossas difíceis provações”, irmã Bingham disse. “Com Sua ajuda, podemos superar adversidades, resistir as tentações e progredir no caminho de volta a nossos Pais Celestiais”.

Planejar

Mesmo com o dom de misericórdia do Salvador, contudo, “para que possamos realmente progredir, precisamos ser intencionais”, irmã Bingham continuou, destacando a terceira chave. 

Começando com a compreensão da identidade e propósito divino — a qual ela acrescentou que cada indivíduo tem uma responsabilidade de aprender — indivíduos precisam planejar crescer e progredir nas maneiras do Senhor, ela explicou. 

A natureza humana frequentemente leva indivíduos a repetirem erros e a agarrarem-se a “filosofias errôneas” até que se convençam de que sabem mais do que o Pai no Céu. Mas, esses erros podem se tornar oportunidades de aprendizado quando indivíduos compreendem seu propósito divino e escolhem mudar nas formas que os permitem seguir o Salvador, irmã Bingham explicou. 

<strong>“Assim como uma simples lupa que coloca as coisas em foco usando a luz do sol, o evangelho de Jesus Cristo colocará sua vida em foco com a luz do Filho de Deus, nosso Salvador e Redentor”.</strong>

“Ao contrário do nosso crescimento físico, não amadurecemos espiritualmente ao não ser que estejamos dispostos a nos mudarmos e nos movermos para uma forma mais elevada e santa de vida”, ela disse. Seguindo o exemplo de Cristo e se tornando mais como ele é um processo que envolve tomar responsabilidade por suas próprias ações, buscando e planejando maneiras de contribuir para a felicidade de outros e guardar mandamentos tanto para com Deus quanto para com o homem.

Priorizar

Uma vez que um plano esteja em vigor, a próxima chave é priorizar. “Independente da natureza de seus desafios, olhar para eles com uma perspectiva eterna os ajudará a entender as prioridades certas”, irmã Bingham disse. “Colocar as coisas em perspectiva é uma habilidade valiosa que nos permite progredir em meio a informações muitas vezes confusas ou pontos de vistas conflitantes. Nos ajuda a entender o que é importante e o que não é”.

Quando um indivíduo tem uma perspectiva eterna, aquele ponto de vista torna-se uma ferramenta para determinar sua direção, mesmo quando sinais mundanos podem apontar para o caminho errado, ela disse. “Uma perspectiva eterna nos dá um quadro mais completo baseado nas verdades que não mudam com o tempo”.

Uma forma de priorizar é perguntar a Deus, “Como eu deveria ser?” irmã Bingham continuou. “Sua resposta sem dúvidas será instrutiva para você. Tire um tempo para perguntar e refletir, descubra qual é sua maior prioridade e, então, use seu tempo adequadamente. O Senhor prometeu que quando fazemos primeiro as coisas mais importantes, as outras coisas serão alcançadas no momento e na ordem correta”.

Porque Deus ama Seus filhos, Ele os ajudará a ver os erros que cometeram e de lá, “podemos escolher mudar e melhorar e, desse modo, verdadeiramente seremos mais felizes do que se houvéssemos continuado pelo caminho inicial mais fácil, mas prejudicial”, irmã Bingham disse. 

Agir com fé

Uma vez que planejar e priorizar tenham definido a direção de um indivíduo no caminho para o progresso eterno, o próximo passo é agir com fé.
“Você pode estar hesitante de seguir em frente, pensando que cometerá erros — e você está certo, mas seguindo em frente é a única maneira que conseguiremos progredir”, irmã Bingham disse.

O progresso espiritual leva tempo e atenção aos detalhes, assim como paciência e persistência, ela continuou. Mesmo com a ajuda do Senhor, todos cometerão erros. Mas o Senhor está lá “para nos ajudar a aprender como fazer e ser melhor. Não temos que ser perfeitos; o que importa é o nosso esforço. Nosso Pai Celestial não espera perfeição de nós nesta vida, mas Ele espera que continuemos a tentar”.

Com cada ato de fé e cada passo na direção do Senhor, a perspectiva eterna da pessoa ficará mais clara. 

Um coro de estudantes canta durante um devocional na terça com irmã Jean B. Bingham no Marriott Center no campus da BYU em Provo, Utah, no dia 10 de dezembro, 2019.
Um coro de estudantes canta durante um devocional na terça com irmã Jean B. Bingham no Marriott Center no campus da BYU em Provo, Utah, no dia 10 de dezembro, 2019. | Crédito: Captura de tela da BYUTV

“Assim como uma simples lupa que coloca as coisas em foco usando a luz do sol, o evangelho de Jesus Cristo colocará sua vida em foco com a luz do Filho de Deus, nosso Salvador e Redentor”, irmã Bingham disse. “Ele olha para todas Suas criações com a luz do amor, sabendo que o amor derrete diferenças, amolece a mágoa, diminui a dor, eleva espíritos e empodera o progresso”.

Para Carson Thompson, um estudante universitário do terceiro ano estudando ciência ambiental que assistiu ao devocional, a mensagem da irmã Bingham trouxe um novo significado para a ideia de uma perspectiva eterna.

Foi interessante ver como irmã Bingham demonstrou várias perspectivas com fotos panorâmicas de cidades assim como vistas aproximadas de ruas, Thompson mencionou.

“E o que chamou minha atenção foi que meio que parece que a perspectiva eterna captura todas aquelas perspectivas diferentes”, ele disse. “Então, não é que a perspectiva eterna é a única correta acima de todas as outras, mas ela incorpora todas as perspectivas diferentes que cada indivíduo possa ter”.

Na vida diária, é fácil se pegar no dia a dia e perder de vista uma perspectiva maior, ele disse, acrescentando que é importante estar “disposto a recuar e ver o grande enquadramento e perceber que as coisas pequenas não importam tanto quanto pareciam”.

Para estudante do primeiro ano da BYU, Emily Lefler, a mensagem da irmã Bingham foi um lembrete importante de não se estressar com cada pequena decisão, como escolher um curso e uma futura carreira.

“Eu definitivamente senti que foi muito útil para mim pessoalmente porque eu ainda estou indecisa, então eu estou tentando descobrir o que quero fazer com minha vida”, ela disse. “Ter o lembrete de ter uma visão mais arredondada de onde vou além desta vida é, é confortante saber que nem tudo depende da minha carreira — tem mais do que apenas isso”.

Lefler disse que era grata pelo lembrete de ser paciente com o Senhor, mas também ser persistente trabalhando em direção às suas metas.

No final de seu discurso, irmã Bingham prometeu que seguindo as cinco chaves para manter uma perspectiva eterna ajudaria indivíduos a superar seus desafios de vida individuais e a sentir uma alegria indescritível. Ao fazê-lo, ela disse, “Vocês serão guiados e abençoados, elevados e fortalecidos a seguirem o caminho do convênio que os guia a tornarem-se seu melhor eu eterno”.

NEWSLETTER
Receba destaques do Church News entregues semanalmente na sua caixa de entrada grátis. Digite seu endereço de e-mail abaixo.