Menu

Presidente Henry J. Eyring a estudantes da BYU-Idaho: Testes de honra durante a pandemia de COVID-19

President Henry J. Eyring speaking to the students at BYU-Idaho for the first devotional of the new year. Crédito: Katelyn Brown
Presidente Henry J. Eyring discursa para estudantes da BYU-Idaho no primeiro devocional do novo ano, no dia 11 de janeiro de 2022. Crédito: James Turcott
Sis Kelly Eyring Crédito: James Turcott
Spencer Eyring speaking to the students at BYU-Idaho for devotional. Crédito: Katelyn Brown

Quando Henry J. Eyring, presidente da BYU-Idaho tinha sete anos, ele e sua família se mudaram da Universidade de Stanford, na Califórnia, para a Ricks College, em Idaho, onde seu pai, Presidente Henry B. Eyring, do Quórum dos Doze Apóstolos, foi chamado para servir como presidente.

“Durante o recreio na Lincoln Elementary School, os meninos mais velhos gostavam de tirar o gorro de tricô verde fluorescente que minha mãe havia comprado para mim quando nos mudamos para Rexburg”, recordou presidente Henry J. Eyring durante o devocional da BYU-Idaho no dia 11 de janeiro. “Tentar pegar o gorro de volta apenas os incentivava a serem mais travessos.”

Vocês podem ter tido experiências semelhantes ao defenderem sua honra, ou a de outras pessoas, disse ele aos estudantes. “Recentemente, muitos de nós temos pensado profundamente sobre questões de honra, devido à pandemia de Covid-19.” 

A maioria dos estudantes e funcionários da universidade já receberam, voluntariamente, duas ou mais doses de vacina. “Suas escolhas pessoais permitiram, coletivamente, que nos reuníssemos cara a cara novamente.”

Presidente Eyring expressou sua gratidão pelas precauções coletivas, pelos recentes avanços médicos e pelo pedido da Primeira Presidência para “usarmos máscaras faciais em reuniões públicas sempre que o distanciamento social não for possível”, para limitarmos a exposição ao vírus.

Henry J. Eyring, presidente da BYU-Idaho, cumprimenta uma formanda durante a cerimônia de formatura realizada na quarta-feira, 15 de dezembro de 2021.
Henry J. Eyring, presidente da BYU-Idaho, cumprimenta uma formanda durante a cerimônia de formatura realizada na quarta-feira, 15 de dezembro de 2021. | Crédito: Katelyn Brown, BYUI

“Além do uso de máscaras nas salas de aula, usar máscaras nos corredores da universidade e outros espaços fechados também pode se tornar necessário. Devemos estar prontos para respondermos quando as condições mudarem — para melhor ou pior”, disse presidente Eyring. “Como no passado, buscaremos a orientação de nossos amigos no Eastern Idaho Public Health [Departamento de Saúde Pública do Leste de Idaho], que nos aconselharam de forma tão generosa e eficaz. Somos muito abençoados por termos líderes que são administradores confiáveis do bem-estar público.”

Além das orientações das autoridades governamentais e dos profissionais de saúde, as pessoas podem seguir os conselhos dos líderes da Igreja neste momento, como sempre, disse ele, antes de repetir as palavras dos membros da Primeira Presidência: “Podemos vencer esta guerra se todos seguirem as recomendações sábias e ponderadas de especialistas médicos e líderes governamentais.”

No processo de trabalharmos em conjunto para encontrarmos um equilíbrio entre a segurança pública e as preferências pessoais, é importante resistirmos ao impulso de discutirmos em ambientes públicos ou privados. “Cada um de nós é tendencioso e mal-informado, de formas que podem ser facilmente ignoradas”, disse presidente Eyring.  

Testes modernos de honra

Presidente Henry J. Eyring discursa para estudantes da BYU-Idaho no primeiro devocional do novo ano, no dia 11 de janeiro de 2022.
Presidente Henry J. Eyring discursa para estudantes da BYU-Idaho no primeiro devocional do novo ano, no dia 11 de janeiro de 2022. | Crédito: James Turcott

Espera-se que os discípulos do Salvador respeitem a todos, até mesmo as pessoas “cuja honra pode ser questionada”. 

Presidente Eyring também testificou da bênção de se honrar os convênios de vestuário e aparência, que podem vir acompanhada de bênçãos espirituais e materiais.

“Quase todas as bênçãos se baseiam em fazermos as coisas certas quando os custos parecem muito altos, ou até mesmo injustos”, ensinou ele, como demonstrado por Adão e Eva, Noé, Moisés, Davi e Joseph e Hyrum Smith.

“O maior sacrifício pela honra foi a bravura de nosso Salvador ao confrontar os escribas e fariseus judeus”, disse presidente Eyring. “Ele certamente sabia que Suas acusações contra eles, a quem Ele justificadamente chamou de hipócritas, os levariam a buscarem Sua morte. Contudo, Sua honra e a missão dada por Seu Pai Celestial exigiam que Ele permanecesse firme, mesmo sabendo das consequências.”

Atualmente, existem novos testes de honra, o equivalente moderno dos holocaustos e outros sacrifícios do Velho Testamento. A pandemia de Covid-19 parece estar “testando nossa determinação de seguirmos a orientação das autoridades governamentais e da Igreja.”

Em vez de enxergarem as medidas de proteção com uma intrusão injusta na liberdade pessoal, presidente Eyring incentivou os ouvintes a “aceitarem as provações, os testes e as possíveis vitórias a serem obtidas.”

Honra duradoura

Tempos difíceis podem levar à humildade, à gratidão e ao amor, e trazer mudanças duradouras com “um senso de honra em todos os nossos pensamentos e interações com outras pessoas. Mas o processo é para vida toda.”

Presidente Eyring observou isso na vida de Élder Robert D. Hales, membro do Quórum dos Doze Apóstolos, que faleceu há pouco mais de quatro anos.

O “jovem Bob Hales” conheceu “um jovem adolescente chamado Hal Eyring” durante reuniões com santos dos últimos dias de Nova York e Nova Jersey. Mais tarde, eles se reconectaram na Faculdade de Administração de Empresas da Universidade de Harvard.

No início de seu primeiro semestre do programa de Mestrado em Administração de Empresas da Universidade de Harvard, Élder Hales foi chamado como presidente do quórum de élderes. Na época, ele também era o pai de dois filhos pequenos. Após orarem e conversarem, sua esposa, Mary, disse: “Prefiro ter um portador ativo do sacerdócio a um homem que possua um Mestrado de Harvard, mas faremos os dois.”

Élder Robert D. Hales.
Élder Robert D. Hales. | Crédito: A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias

“Bob se destacou como estudante da Universidade de Harvard”, disse presidente Eyring. “Ao se formar, ele pôde escolher entre várias oportunidades de negócios. Nas décadas seguintes, ele ocupou cargos de liderança sênior em quatro grandes empresas.” 

Durante esse período, Élder Hales serviu em posições de liderança na Igreja, como Assistente do Quórum dos Doze Apóstolos e Bispo Presidente da Igreja.

“O trabalho no Bispado foi árduo, pois incluía a supervisão das operações da Igreja em todo o mundo. No entanto, o Bispo e a irmã Hales foram gentis com a irmã Eyring e comigo”, recordou presidente Eyring. “Na época em que morávamos em Boston, eles nos visitaram. Sentimos que eles estavam ministrando em nome de nossos pais.”

Contudo, alguns anos mais tarde, Élder Hales sofreu o primeiro de vários ataques cardíacos, além de passar a ter problemas com seus pulmões.

“Quando Élder Hales começou o que seriam vinte e três anos como membro do Quórum dos Doze, seus desafios físicos o acompanharam”, disse presidente Eyring. Mais tarde, ele serviu como bispo da família Hales. Ele geralmente os visitava nas tardes de domingo. “Élder Hales relatou a experiência de ter vislumbrado o véu entre esta vida e a próxima em mais de uma ocasião.”

Presidente Henry B. Eyring fez esta declaração no funeral de Élder Hales: “Não tenho como saber se ele faleceu por um breve momento naquela tarde ou se foi um sonho. Mas disso tenho certeza: ele sentiu, em um momento de intensa provação, que deveria fazer algo difícil e foi leal ao mandamento que havia recebido. Para mim, foi mais um momento, apenas mais um dos muitos que vivenciamos juntos, em que — não importa o custo e quão difícil seja o mandamento — ele foi leal a sua família e seus amigos, ao Senhor, e a Seu profeta.”

A vida não se torna mais fácil com o passar do tempo, disse presidente Eyring aos estudantes. “Isso acontece conforme lutamos contra o envelhecimento. Mas esta também é uma idade social única para todos nós. Estamos enfrentando desafios temporais incomuns. Além da pandemia de Covid-19, com suas ramificações, enfrentamos conflitos públicos e rebeliões individuais.”

Honrarmos e sermos fiéis ao Pai Celestial e ao Salvador Jesus Cristo de maneira constante, bem como aos sussurros do Espírito Santo, asseguram nossa vida eterna com Eles e com membros de nossa família no reino celestial. 

A honra duradoura, testificou presidente Eyring, “é uma questão de aceitarmos diariamente a orientação do Espírito Santo e o exemplo abnegado de nosso Senhor.”

Honra com gratidão

A irmã Kelly Eyring ensinou aos estudantes que a alegria segue a superação “de algo que pode ter parecido difícil ou talvez até mesmo impossível.”

“Neste semestre, em meio à pandemia e a outras circunstâncias difíceis, planejo buscar essa alegria prometida. Ela será nossa se honrarmos nosso Pai Celestial e Seu filho Jesus Cristo”, disse ela.

Spencer Eyring, filho do Presidente Henry J. Eyring e da irmã Kelly Eyring, falou sobre um homem que lhe ensinou sobre honra durante o devocional no campus da BYU-Idaho no dia 11 de janeiro de 2022. Ele compartilhou essa história durante o discurso da irmã Kelly Eyring.
Spencer Eyring, filho do Presidente Henry J. Eyring e da irmã Kelly Eyring, falou sobre um homem que lhe ensinou sobre honra durante o devocional no campus da BYU-Idaho no dia 11 de janeiro de 2022. Ele compartilhou essa história durante o discurso da irmã Kelly Eyring. | Crédito: Katelyn Brown

O filho do casal Eyring, Spencer, foi ao púlpito para falar sobre Mark Orchard, um professor da BYU-I que é um exemplo de honra para ele.

“Mark nunca se preocupou com o que as pessoas pensavam dele e sempre se esforçou para deixar nosso Pai Celestial orgulhoso”, disse ele.

Guardar os dois grandes mandamentos é uma forma de honrarmos o Pai Celestial e Jesus Cristo, disse a irmã Eyring.

Ela tenta começar cada dia com uma oração de gratidão, mas encontra dificuldades quando seus pensamentos sobre si mesma são cruéis.

“Precisamos ser gentis conosco mesmos. Eu converso muito comigo mesma. É muito melhor quando digo coisas boas e perdoo a mim mesma”, disse ela.

A irmã Kelly Eyring discursa para estudantes da BYU-Idaho no primeiro devocional do novo ano, no dia 11 de janeiro de 2022.
A irmã Kelly Eyring discursa para estudantes da BYU-Idaho no primeiro devocional do novo ano, no dia 11 de janeiro de 2022. | Crédito: James Turcott

Ela mostrou uma foto do lema de sua família: “Estamos ligados e unidos”.

“Para nós, o lema significa que estamos ligados, ou selados, por convênios eternos e estamos unidos, ou tentando, retornar juntos ao nosso Pai Celestial”, explicou ela. “Escolhemos esta frase como nosso lema porque ela reconhece que precisamos uns dos outros para chegarmos lá. Isso não se aplica apenas a minha pequena família, mas a todos os filhos do Pai Celestial.”

Ela convidou os estudantes a honrarem o Pai Celestial e Jesus Cristo, com gratidão pelo privilégio de estarem na BYU-Idaho, e uns aos outros com amor e respeito.

“Buscarei essa alegria. Façamos isso juntos”, disse ela. “Tenho um testemunho da honra e da forma como ela pode nos unir em uma causa.”

NEWSLETTER
Receba destaques do Church News entregues semanalmente na sua caixa de entrada grátis. Digite seu endereço de e-mail abaixo.