Menu

Cumpram os convênios para receberem ‘ajuda divina’, dizem presidente da BYU-Pathway e esposa aos alunos

Ao cumprirem os convênios, indivíduos podem alcançar aquilo que antes era impossível

O presidente da BYU-Pathway Worldwide, Brian K. Ashton, e sua esposa, irmã Melinda Ashton, já serviram como líderes da Missão Texas Houston Sul.

Foi lá que conheceram o élder Caleb Cooper, um excelente missionário com uma tremenda fé e desejo de compartilhar o evangelho, disse a irmã Ashton.

Porém, o élder Cooper tinha um desafio: uma forma de dislexia que fazia com que seu cérebro visse as palavras incorretamente, sempre que olhava para elas. Isso dificultou para ele o estudo das escrituras, escrever e-mails e realizar outras tarefas rotineiras, disse a irmã Ashton.

Mas o élder Cooper trabalhou arduamente para melhorar suas habilidades de leitura e escrita durante sua missão, disse o presidente Ashton. Hoje, Cooper é aluno da BYU-Pathway e está perto de concluir seu bacharelado.

O presidente e a irmã Ashton compartilharam a história de Caleb Cooper durante um devocional pré-gravado lançado na quarta-feira, 19 de setembro [em inglês].

Sua mensagem se concentrou no poder dos convênios para ajudar as pessoas a realizarem aquilo que, de outra forma não conseguiriam por conta própria.

Presidente Ashton relembrou uma impressão que recebeu durante uma entrevista com o então élder Cooper: “Senti necessidade de lhe dizer que o Senhor queria que ele estudasse em uma universidade. ... Não preciso dizer que esta mensagem foi preocupante para Caleb, pois ele sempre teve dificuldades na escola. Em seguida, lhe dei uma bênção do sacerdócio. Nesta bênção, Deus prometeu a Caleb que ele obteria um diploma universitário.”

Da esquerda para a direita, irmã Melinda Ashton, o então élder Caleb Cooper, e presidente Brian K. Ashton, na Missão Texas Houston Sul, onde os Ashtons serviram como líderes da missão.
Da esquerda para a direita, irmã Melinda Ashton, o então élder Caleb Cooper, e presidente Brian K. Ashton, na Missão Texas Houston Sul, onde os Ashtons serviram como líderes da missão. | Captura de tela do devocional da BYU-Pathway

Depois que Cooper voltou da missão, o presidente Ashton disse que lembrava periodicamente ao jovem que ele precisava se matricular em uma universidade. Depois de cinco anos, Cooper finalmente se inscreveu na BYU-Pathway.

Mais tarde, Cooper disse ao presidente Ashton que sua vida havia estagnado anos antes dele se matricular na BYU-Pathway. Mas durante o primeiro semestre, ele conheceu sua esposa, Sadie. Eles se casaram durante seu terceiro semestre.

A universidade não tem sido fácil para Cooper, disse o presidente Ashton. Ele precisou de acomodações e ajuda extra, e muitas vezes trabalhou mais arduamente do que seus colegas de classe.

“Mas através da oração e da confiança em Deus”, suas notas foram quase todas ele 10, disse o presidente Ashton. Cooper também recebeu maiores responsabilidades profissionais, um aumento e várias ofertas de emprego. Ele está até pensando em fazer mestrado. “Seu sucesso acadêmico não é algo que ele ou eu poderíamos ter previsto quando ele estava na missão.”

A irmã Ashton disse que as melhorias de Cooper vieram como resultado de seus convênios com o Pai Celestial e Jesus Cristo.

Quando Cooper foi batizado, ele prometeu sempre se lembrar do Salvador e tomar sobre si o nome de Jesus Cristo, continuou a irmã Ashton. Cooper cumpriu esses convênios, em parte, servindo uma missão. Agora ele cumpre seus convênios, servindo ao próximo e compartilhando o evangelho.

Presidente Ashton acrescentou que os convênios de Cooper o tornaram elegível para receber ajuda divina, enquanto prosseguia em seus estudos acadêmicos.

“Devido à sua dislexia, Caleb não tinha as habilidades necessárias para progredir academicamente por conta própria”, disse o presidente Ashton. “Na verdade, Caleb tentou durante anos aprender a ler e escrever, sem sucesso. Sem a ajuda de Jesus Cristo, Caleb poderia ter trabalhado arduamente, mas não progredido na leitura, na escrita ou em outras áreas de estudo. No entanto, com o poder de Deus, o trabalho árduo de Caleb rendeu frutos e, com o tempo, ele se tornou muito capaz de ter um bom desempenho acadêmico.”

Através da oração e da confiança em Deus para completar seus estudos, Caleb Cooper recebeu maiores responsabilidades profissionais, um aumento e várias ofertas de emprego, disse presidente Ashton.
Através da oração e da confiança em Deus para completar seus estudos, Caleb Cooper recebeu maiores responsabilidades profissionais, um aumento e várias ofertas de emprego, disse presidente Ashton. | Captura de tela da BYU-Pathway

A irmã Ashton disse que cada pessoa pode ter o poder de Deus em sua vida, fazendo e cumprindo convênios. Se não souberem como fazer convênios, ou quais convênios fazer, poderão conversar com missionários, amigos ou líderes locais; se precisarem de ajuda para cumprirem os convênios que já fizeram, podem falar com o bispo; e se elas já estiverem cumprindo seus convênios, “continuem a cumpri-los e tenham fé de que Deus lhes dará a ajuda e o poder de que precisam no momento certo.”

Presidente Ashton encerrou prestando testemunho dos profetas e apóstolos de Deus e do sacrifício expiatório de Jesus Cristo.

“Prometo que se fizerem e cumprirem convênios sagrados com o Pai Celestial e Jesus Cristo, poderão receber ajuda para resolverem os problemas de sua vida que parecem impossíveis”, disse ele. “Isto aconteceu comigo durante toda a minha vida. Eu sei que isto pode acontecer com vocês.”

HISTÓRIAS RELACIONADAS
Permaneçam no caminho para um futuro melhor, diz Élder Valenzuela aos alunos da BYU-Pathway
Élder Renlund aos alunos da BYU-Pathway: 'A felicidade está bem onde vocês estão'
Deus é ‘uma fonte de verdade na qual podemos sempre confiar’, diz presidente da BYU-Pathway
NEWSLETTER
Receba destaques do Church News entregues semanalmente na sua caixa de entrada grátis. Digite seu endereço de e-mail abaixo.