Menu

Linha do tempo das 96 horas que cercaram o martírio de Joseph Smith e Hyrum Smith

ccGreaterLoveHathNoMan 004 Crédito: Casey Childs
The Carthage Jail on Monday April 29, 2002 Photo by Scott G. Winterton/Deseret News. (Submission date: 04/30/2002) Scott G. Winterton, Deseret News
Vista de Nauvoo, Illinois, em 1846. Crédito: Cortesia da Biblioteca de História da Igreja
A escada dentro da Cadeia de Carthage, onde a turba teria subido para atacar Joseph e Hyrum Smith. Cortesia da Biblioteca de História da Igreja
Visitantes podem olhar pela janela onde Joseph foi baleado, assassinado e caiu na histórica Cadeia de Carthage, em Carthage, Illinois. Crédito: Jeffrey D. Allred, Deseret News
Porta da cela da Cadeia de Carthage com um furo de bala. Cortesia da Biblioteca de História da Igreja
“Turba na Cadeia de Carthage”, por William L. Maughan. Cortesia da Biblioteca de História da Igreja
Retrato de Willard Richards. Crédito: Cortesia da Biblioteca de História da Igreja
A Mansão de Nauvoo. Crédito: Cortesia da Biblioteca de História da Igreja
Uma estátua de Joseph e Hyrum Smith perto da Cadeia de Carthage, em Illinois. A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias
Carthage Jail in Nauvoo, Illinois. Crédito: A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias
Há uma estátua de Joseph e Hyrum Smith do lado de fora da Cadeia de Carthage, onde os irmãos foram mortos no dia 27 de junho de 1844. Jeffrey Allred, Arquivos do Deseret News

Em 2019, em homenagem ao 175º aniversário do martírio de Joseph e Hyrum Smith, o Church News colaborou com o Departamento de História da Igreja para criar a seguinte linha do tempo [original em inglês mas com a tradução logo abaixo], explicando os eventos que cercaram a morte de Joseph e Hyrum Smith na Cadeia de Carthage, em Carthage, Illinois, em 27 de junho de 1844.

Notas históricas:

Não se sabe quem realmente atirou em Joseph e Hyrum Smith. Willard Richards e John Taylor fizeram uma lista de pessoas que reconheceram na turba. Em outubro de 1844, nove homens foram indiciados pelos assassinatos. Em maio de 1845, apenas cinco desses homens foram julgados: Thomas C. Sharp, Levi Williams, Jacob C. Davis, Mark Aldrich e William N. Grover. Todos foram absolvidos.

A Legião de Nauvoo era uma milícia autorizada pelo estado em Nauvoo, Illinois, na década de 1840. Liderada por Joseph Smith e outros santos dos últimos dias, a milícia foi organizada, em parte, para proteger os santos contra a potencial violência de turbas.

Os Carthage Grays eram a milícia local autorizada pelo governo em Carthage e estavam sob o comando de Robert F. Smith.

Vista de Nauvoo, Illinois, em 1846.
Vista de Nauvoo, Illinois, em 1846. | Crédito: Cortesia da Biblioteca de História da Igreja

Em 7 de junho de 1844, foi publicado o primeiro e único número do Nauvoo Expositor. O jornal criticava abertamente Joseph Smith e seus ensinamentos. Preocupados com o potencial do jornal para incitar a violência da multidão, Joseph e a Câmara Municipal de Nauvoo declararam que a imprensa era um transtorno. Em 10 de junho de 1844, Joseph instruiu o marechal da cidade a destruir a prensa. Um mandado de prisão logo foi emitido para Joseph, Hyrum Smith e 16 outros homens por causarem um tumulto quando a prensa foi destruída. Convencido de que um ataque armado a Nauvoo era iminente, Joseph Smith convocou a Legião de Nauvoo e proclamou lei marcial em 18 de junho de 1844. Essas declarações, no entanto, foram vistas como atos de traição contra Illinois. Quando Joseph e Hyrum chegaram a Carthage para o exame do caso de motim, foram presos por traição. Tal acusação surgiu da tentativa de Joseph de proteger a cidade da violência da turba.

Observação: Certifique-se de arrastar para baixo a tela do texto, e seguir as setas para avançar as imagens. Uma tradução para o português se encontra no final deste artigo.

Índice de pessoas incluídas na linha do tempo:

Joseph Smith: Profeta e Presidente de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias na época.

Hyrum Smith: Irmão mais velho de Joseph Smith e patriarca de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias na época.

Emma Smith: Primeira esposa de Joseph. Ela estava morando em Nauvoo na Mansion House na época.

Gov. Thomas Ford: O governador de Illinois na época.

Robert F. Smith: O juiz de Carthage na época.

John S. Fullmer: Membro da Igreja e oficial da Legião de Nauvoo na época.

John Taylor: Editor de jornal em Nauvoo e apóstolo de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias. Ele estava com Joseph e Hyrum em Carthage no momento de sua morte.

Stephen Markham: Membro da Igreja e oficial da Legião de Nauvoo na época.

Dan Jones: Membro da Igreja que estava com Joseph e Hyrum em Carthage.

Willard Richards: Secretário e apóstolo de Joseph Smith, em A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, que estava com Joseph e Hyrum em Carthage.

Jonathan Dunham: Membro da Igreja e oficial da Legião de Nauvoo.

Orville Browning: Advogado que representou Joseph Smith em 1841, e que mais tarde serviu como advogado dos cinco homens acusados de matar Joseph e Hyrum Smith em 1845.

Thomas Sharp: Editor do jornal Warsaw Signal em Illinois e antagonista dos Santos dos Últimos Dias. Ele foi indiciado, mas depois absolvido, por matar Joseph e Hyrum Smith.

Josefo: Historiador judeu do primeiro século cujos escritos fornecem insights não bíblicos sobre a história judaica.

Retratos de Joseph e Hyrum Smith.
Retratos de Joseph e Hyrum Smith. | Crédito: A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias

TRADUÇÃO DA LINHA DO TEMPO DO MARTÍRIO DE JOSEPH SMITH E HYRUM SMITH

SEGUNDA-FEIRA, 24 DE JUNHO DE 1844

Tarde da noite (cerca de 23h45) de 24 de junho, Joseph e Hyrum Smith, junto com outros 14 homens — todos acusados de causar tumultos na destruição do Nauvoo Expositor — chegam a Carthage, Illinois. Eles passam a noite no hotel de Artois Hamilton.

TERÇA-FEIRA, 25 DE JUNHO DE 1844

Às 8 da manhã, Joseph e Hyrum Smith são presos por traição.

Retrato de Emma Hale Smith.
Retrato de Emma Hale Smith. | Crédito: A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias

Entre 14h e 15h, Joseph Smith escreve uma carta a Emma Smith, descrevendo uma reunião pessoal com o governador Thomas Ford, que ocorrera mais cedo naquela manhã. Ele descreve sua confiança na capacidade do governador de fazer cumprir a lei e manter a paz, e ainda diz que planeja acompanhar o governador Ford quando ele entrar em Nauvoo com seu exército.

Depois das 16h, os 16 homens são levados perante Robert F. Smith, o juiz de paz de Carthage, para uma audiência sobre a causa dos distúrbios durante a destruição da impressora do Nauvoo Expositor. A audiência foi realizada no hotel de Artois Hamilton. Os 16 homens acusados de causar distúrbio são libertados sob fiança de US$ 500 por pessoa. Joseph e Hyrum Smith pagam a fiança, mas são mantidos em Carthage acusados de traição.

Por volta das 21h, Joseph e Hyrum Smith são levados para a Cadeia de Carthage. Willard Richards, John P. Greene, Stephen Markham, Dan Jones, um indivíduo identificado como Dr. Southwick, Lorenzo Wasson e John Taylor acompanham os Smiths. Outros registros indicam que John Fullmer e Gilbert Belnap também se juntaram a eles.

QUARTA-FEIRA, 26 DE JUNHO DE 1844

Durante a manhã, em algum momento entre 7h e 10h, Joseph Smith escreve para seu advogado e solicita que o local da audiência de traição seja alterado. Ele está angustiado por estar em Carthage e ter outra audiência lá.

Às 8 da manhã, o capitão James Singleton e 60 homens se encontram com a polícia local em Nauvoo. A polícia concorda em cooperar com Singleton. (O governador Ford havia enviado Singleton a Nauvoo para proteger a cidade de possíveis ataques de turbas).

“Joseph Smith Jr.”, por Danquart Anthon Weggeland.
“Joseph Smith Jr.”, por Danquart Anthon Weggeland. | Crédito: A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias

Às 8h10, Joseph Smith escreve ao governador Ford solicitando uma entrevista, e demonstra seu desejo de ser libertado da prisão.

Às 10h15, o governador Ford indica que Joseph e Hyrum Smith “provavelmente” retornarão a Nauvoo. Joseph Smith acredita que eles voltariam a Nauvoo no dia seguinte, quinta-feira, 27 de junho.

Em algum momento antes do meio-dia, Joseph Smith recebe uma pistola de tiro único de John Fullmer, um membro da Igreja, que ele mantém consigo enquanto está na Cadeia de Carthage.

Ao meio-dia, Joseph Smith escreve para o juiz Jesse B. Thomas, um juiz do condado de Hancock que também é juiz da Suprema Corte de Illinois. Nesta carta, ele pede ao juiz Thomas que vá a Nauvoo para investigar as acusações de traição.

Entre 12h e 12h30, Joseph Smith expressa sua preocupação com sua segurança: “Tenho tido mais preocupação com minha segurança do que nunca.”

Às 16h, Joseph e Hyrum Smith se apresentam perante Robert F. Smith para a audiência inicial sobre a acusação de traição, pela qual haviam sido presos no dia anterior. (A acusação de traição dizia respeito à circunstância em que Joseph Smith convocou a Legião de Nauvoo e declarou a lei marcial em 18 de junho. Joseph e Hyrum Smith foram obrigados a permanecer em Carthage porque os juízes de paz não estavam autorizados a estabelecer fiança por acusações de traição, que era um crime capital. O tribunal deu aos advogados de defesa de Joseph e Hyrum Smith até o meio-dia de quinta-feira para reunir testemunhas. A audiência para o caso de traição foi marcada para quinta-feira, 27 de junho, mas depois foi alterada para sábado, 29 de junho).

No final da tarde, John Fullmer, John Taylor, Stephen Markham, Dan Jones e Willard Richards escolheram passar a noite com Joseph e Hyrum na sala do andar superior da Cadeia de Carthage.

Durante a noite, Hyrum leu o Livro de Mórmon em voz alta. Joseph prestou seu testemunho aos guardas de plantão sobre a autenticidade divina do Livro de Mórmon, testificando que “o evangelho de Jesus Cristo havia sido restaurado, que os anjos ainda ministravam à humanidade e que o reino de Deus estava mais uma vez na Terra.”(Santos, Volume 1, Capítulo 44).

Cadeia de Carthage em Carthage, Illinois.
Cadeia de Carthage em Carthage, Illinois. | Crédito: A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias

QUINTA-FEIRA, 27 DE JUNHO DE 1844

Às 8h20, Joseph Smith escreve uma carta para sua esposa, Emma Smith, instruindo Jonathan Dunham e os cidadãos de Nauvoo a serem pacíficos e respeitarem a autoridade do governador Ford, caso ele os visite. Joseph diz a Emma que é inocente da acusação de traição, que fez todo o possível e pede que ela diga aos filhos que os ama. (Nota: Joseph acrescentou mais palavras à carta às 9:40).

Pela manhã, o governador Ford, inquieto com a possibilidade de guerra caso chegasse a Nauvoo com um grande número de tropas, dispensa os soldados de Carthage e os de Golden Point, que estavam nas proximidades. Ele decide ir para Nauvoo com uma pequena tropa e encarrega os Carthage Greys (milícia local) de fazer a guarda de Joseph e Hyrum Smith em Carthage. Então o Governador Ford parte para Nauvoo naquela manhã.

Em algum momento da manhã, Cyrus Wheelock visita a Cadeia de Carthage e dá a Joseph Smith um revólver de seis tiros. José entrega a Hyrum a pistola que recebeu de John Fullmer.

No final da manhã ou no início da tarde, depois que o governador Ford liberou os guardas, Thomas Sharp, editor do Warsaw Signal, reúne alguns dos soldados de Golden Point e os convoca para ir a Carthage e assassinar Joseph Smith.

“Turba na Cadeia de Carthage”, por William L. Maughan.
Uma pintura do exterior da Cadeia de Carthage mostra a multidão se aproximando. | Cortesia da Biblioteca de História da Igreja

Ao meio-dia, Joseph Smith escreve para Orville Browning e pede que ele seja seu advogado na audiência de traição. (Nota: Browning foi advogado de Joseph em 1841 e mais tarde, em 1845, ele representou os cinco homens acusados de assassinar Joseph e Hyrum Smith).

Às 13h30, Stephen Markham deixa a Cadeia de Carthage para pegar um cachimbo e tabaco para Willard Richards, que estava com azia. Os Carthage Greys (milícia local que guardava a prisão), não permitiu que Markham retornasse à prisão.

Às 15h15, os prisioneiros da Cadeia de Carthage ouvem ameaças dos guardas. John Taylor canta “Um Pobre e Aflito Viajor” duas vezes. Hyrum lê Josefo (um historiador do século I).

Os prisioneiros ouvem tiros de pistola, Richards olha para fora e vê cerca de 100 homens armados na porta da prisão. Joseph e Hyrum Smith pegam suas pistolas, e Taylor e Richards pegam bengalas para se defender.

Em resposta aos tiros e barulho, Hyrum Smith dispara sua arma, e em seguida é baleado no rosto através da porta.

Joseph descarrega sua arma. Ele erra 2 ou 3 vezes e parece ter ferido três pessoas.

Porta da cela da Cadeia de Carthage com um furo de bala.
Porta da cela da Cadeia de Carthage com um furo de bala. | Cortesia da Biblioteca de História da Igreja

Taylor tenta fugir pela janela, mas é baleado. Ele cai no parapeito e quebra o relógio, que para de funcionar às 5:16:26. Taylor rola para debaixo da cama para se proteger.

Joseph Smith também tenta pular pela janela, mas é baleado e cai. Ao tentar se sentar encostado no poço localizado no pátio da prisão, Joseph morre.

Richards agarra Taylor e o leva para o porão da prisão para escondê-lo da turba.

Por volta das 17h, o governador Ford chega a Nauvoo e faz um discurso dizendo aos santos que eles estavam errados em destruir a impressora do Nauvoo Expositor e invocar a lei marcial através da Legião de Nauvoo.

Depois das 18h, o governador Ford deixa Nauvoo e a cerca de cinco km de distância, ele encontra mensageiros de Carthage, o xerife David Bettisworth e George D. Grant, um santo dos últimos dias, que o informam que Joseph e Hyrum Smith estão mortos.

Em algum momento da noite, James Singleton e seus homens deixam Nauvoo.

Uma carta de Willard Richards e John Taylor, enviada da Cadeia de Carthage, informava que Joseph e Hyrum Smith haviam sido mortos.
Uma carta de Willard Richards e John Taylor, enviada da Cadeia de Carthage, informava que Joseph e Hyrum Smith haviam sido mortos. | Cortesia da Biblioteca de História da Igreja

Às 20h05, Richards e Taylor enviam cartas ao governador Ford, Jonathan Dunham, Stephen Markham e Emma Smith informando que Joseph e Hyrum Smith estão mortos. A carta lhes assegura ainda que os santos não atacarão os cidadãos de Carthage.

Por volta das 22h, o governador Ford chega a Carthage.

Por volta da meia-noite, Richards, Taylor e Samuel H. Smith enviam uma carta a Emma Smith e Jonathan Dunham instruindo os santos a não deixarem a cidade e enfatizando a necessidade de manter a calma.

Depois da meia-noite, o Governador Ford diz aos cidadãos de Carthage para irem embora, e mais tarde ele também vai. Os cidadãos de Warsaw também deixaram a cidade depois de saberem que Joseph e Hyrum Smith haviam morrido. As pessoas temiam que os santos retaliassem violentamente.

SEXTA-FEIRA, 28 DE JUNHO DE 1844

Pela manhã, os corpos de Joseph e Hyrum Smith são levados para Nauvoo em carroções, dentro caixas de madeira cobertas com ramos para protegê-los do sol.

À tarde, quando os corpos chegam a Nauvoo, eles são levados para a Casa de Nauvoo. Lá eles são lavados uma segunda vez (eles já haviam sido lavados em Carthage), são feitas impressões das máscaras mortuárias e são vestidos de branco.

No final da tarde, Willard Richards e outros falam aos santos.

Máscaras mortuárias Dibble, de Joseph Smith Jr., à esquerda, e Hyrum Smith, à direita.
Máscaras mortuárias Dibble, de Joseph Smith Jr., à esquerda, e Hyrum Smith, à direita. | Crédito: Museu da História da Igreja

SÁBADO, 29 DE JUNHO DE 1844

Desde o início da manhã até o final da tarde, uma exibição pública dos corpos é realizada na Casa de Nauvoo.

À tarde, após a conclusão da audiência pública, sacos de areia são colocados em outras caixas de madeira, enquanto os caixões estão trancados em um quarto na Casa de Nauvoo. As caixas de madeira com sacos de areia são levadas e enterradas publicamente no cemitério da cidade de Nauvoo.

Por volta da meia-noite, os caixões com os corpos são enterrados secretamente no porão da Casa de Nauvoo.

O Rio Mississipi é o pano de fundo para uma estátua que retrata Joseph Smith e seu irmão Hyrum, a cavalo, cavalgando até Carthage, onde foram martirizados.
O Rio Mississipi é o pano de fundo para uma estátua que retrata Joseph Smith e seu irmão Hyrum, a cavalo, cavalgando até Carthage, onde foram martirizados. | Fornecida por Élder Gyle Hollingsworth

Notas históricas:

Não se sabe quem realmente atirou em Joseph e Hyrum Smith. Willard Richards e John Taylor fizeram uma lista de pessoas que reconheceram na turba. Em outubro de 1844, nove homens foram indiciados pelos assassinatos. Em maio de 1845, apenas cinco desses homens foram julgados: Thomas C. Sharp, Levi Williams, Jacob C. Davis, Mark Aldrich e William N. Grover. Todos foram absolvidos.

A Legião de Nauvoo era uma milícia autorizada pelo estado em Nauvoo, Illinois, na década de 1840. Liderada por Joseph Smith e outros santos dos últimos dias, a milícia foi organizada, em parte, para proteger os santos contra a potencial violência de turbas.

Os Carthage Greys eram a milícia local autorizada pelo governo em Carthage e estavam sob o comando de Robert F. Smith.

Em 7 de junho de 1844, foi publicado o primeiro e único número do Nauvoo Expositor. O jornal criticava abertamente Joseph Smith e seus ensinamentos. Preocupados com o potencial do jornal para incitar a violência da multidão, Joseph e a Câmara Municipal de Nauvoo declararam que a imprensa era um transtorno. Em 10 de junho de 1844, Joseph instruiu o marechal da cidade a destruir a prensa. Um mandado de prisão logo foi emitido para Joseph, Hyrum Smith e 16 outros homens por causarem um tumulto quando a prensa foi destruída. Convencido de que um ataque armado a Nauvoo era iminente, Joseph Smith convocou a Legião de Nauvoo e proclamou lei marcial em 18 de junho de 1844. Essas declarações, no entanto, foram vistas como atos de traição contra Illinois. Quando Joseph e Hyrum chegaram a Carthage para o exame do caso de motim, foram presos por traição. Tal acusação surgiu da tentativa de Joseph de proteger a cidade da violência da turba.

— Chase Kirkham, historiador do Joseph Smith Papers Project, contribuiu para este artigo

Nota do editor: Artigo atualizado em 29 de junho de 2022.

NEWSLETTER
Receba destaques do Church News entregues semanalmente na sua caixa de entrada grátis. Digite seu endereço de e-mail abaixo.

Membro da Igreja no Alabama, Mary Helen Allred se sente feliz por poder usar o ServirAgora para continuar um legado de serviço

Estes novos presidentes e diretoras de templo foram chamados para servir pela Primeira Presidência. Eles começarão seu serviço em setembro, ou quando os templos forem dedicados.

“Em um mundo com muitos muros, precisamos continuar construindo pontes”, disse Élder Dieter F. Uchtdorf enquanto estava na fronteira entre os E.U.A. e o México, antes da dedicação do Templo de McAllen Texas.

O Coro e Orquestra do Tabernáculo se apresentarão na Flórida e em Atlanta, Geórgia, em setembro de 2024, como parte da turnê “Hope”.

‘Acredite que Deus conhece suas lutas e enviará milagres’, disse Sarah Jane Weaver, editora executiva do Church News, durante devocional da BYU-Havaí.

Saiba dos detalhes de como assistir ao devocional, quanto tempo durará e como se preparar